X

Enciclopédia do aparelho digestivo

C > Cálculo na Via Biliar
Especialidade: Cirurgia do aparelho Digestivo

O que são cálculos no ducto biliar?

Cálculos na via biliar são pedras presentes no ducto biliar comum. O ducto biliar comum carrega a bile do fígado e vesícula biliar para o intestino delgado. A bile é produzida pelo fígado e ajuda a digerir as gorduras do corpo. A vesícula biliar é um pequeno saco que se encontra sob o fígado do seu lado direito. Faz parte do sistema digestivo. Ele armazena a bile produzida pelo fígado. As pedras se formam através do depósito de colesterol ou outras substâncias na bile. Pequenas pedras podem deixar a vesícula biliar e ficar impactadas no ducto biliar comum.

Qual é a causa?

A maioria dos cálculos biliares, são feitos de colesterol na bile. Geralmente os ácidos biliares evitam que o colesterol se transforme em pedras. Se a quantidade de colesterol na bile aumenta para além da capacidade de ácidos de manter o equilíbrio, o colesterol cristaliza e forma uma pedra. Alguns cálculos biliares resultam da infecção da bile ou do ducto biliar.

As pedras costumam se formar na vesícula biliar (cálculos na vesícula biliar), pois é onde a bile fica represada, mas estas podem também se formar no ducto biliar comum. Quando as pedras se formam no ducto biliar comum ou saem da vesícula biliar para o ducto biliar comum e se alojam neste canal, a condição é chamada de coledocolitíase. O bloqueio do ducto biliar comum torna difícil para o fígado e vesícula biliar expelir a bile. Como resultado, se você tem pedras nos ductos biliares, você pode ter uma dor súbita no lado direito de seu abdômen e você pode perceber que sua pele parece amarela (icterícia).

Quais são os sintomas?

Os sintomas de pedras ducto biliar incluem:

  • ataques severos de dor na parte superior direita do abdômen, que pode durar por horas
  • icterícia, que é uma coloração amarelada da pele e do branco dos olhos causada por pigmento biliar (bilirrubina) no sangue

Quanto tempo os efeitos duram?

Os efeitos desta condição duram enquanto as pedras estiverem presentes no ducto biliar comum. Dificilmente estas pedra saem para o intestino sem nenhuma intervenção, mas pequenas pedras podem migrar espontaneamente.

Como são diagnosticadas?

Seu médico irá perguntar sobre seus sintomas e fazer um exame físico.

Alguns exames podem ser realizados:

  • Ultrassom de abdome
  • Tomografia computadorizada
  • Ressonância magnética das vias biliares
  • Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPER)

Como são tratados?

Tratamentos possíveis são:

  • colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPER) seguida de cirurgia laparoscópica para remoção da vesícula biliar
  • cirurgia laparoscópica para remoção da vesícula biliar seguida de CPER para retirada dos cálculos da via biliar comum
  • cirurgia laparoscópica para remoção da vesícula biliar, mais exploração do ducto biliar comum com o laparoscópio para remover pedras ducto biliar

A cirurgia laparoscópica é feita através de pequenos cortes na barriga, em vez de cirurgia aberta com uma grande incisão. O laparoscópio é um tubo de metal fino com uma câmera leve e pequena. Raramente, em casos complicados, a cirurgia aberta (com cortes maiores na barriga) é necessária para remover com segurança as pedras.

Se houver qualquer dúvida de que pedras podem existir no ducto biliar comum, o seu médico vai colocar um tubo chamado tubo T no duto comum. O tubo-T é usado para explorar e drenar o ducto comum. Um colangiograma (raios-X usando um contraste especial) pode ser feito através do tubo T.

Se nenhuma pedra é vista com o colangiograma e a bile flui adequadamente, o tubo T pode ser deixado durante a noite e no dia seguinte ser removido. No entanto, o cirurgião pode decidir manter o tubo-T por mais tempo.

Se pedras são vistas, estas podem ser removidas por CPER ou cirurgia dependendo da complexidade de cada caso, como tamanho da pedra e alterações da anatomia da via biliar do indivíduo.

Procedimentos cirúrgicos que podem ser realizadas são:

  • Exploração cirúrgica da via biliar:

  • Derivação bileo-digestiva

Quais são as possíveis complicações ?

Os cálculos que se movem para o canal principal (colédoco) entupindo-o, podem causar ictericia e infecção da bilie represada, um caso grave conhecido como colangite.

As pedras se ficarem impactadas na saída do pâncreas também podem causar pancreatite aguda, uma reação inflamatória no pâncreas que pode ser fatal. O principal sintoma da pancreatite é dor intensa no meio do abdômen superior.

Todas estas condições precisam de cuidados de emergência.

Como posso me cuidar?

  • Chame o seu médico se a sua temperatura é superior a 100 ° F (37,8 ° C) ou você tem calafrios.
  • Se você já fez a CPER ou a cirurgia, limite a atividade extenuante de acordo com as instruções do seu médico.
  • Se os sintomas persistirem ou se desenvolver novos sintomas, informe o seu médico.

Enciclopédia do Aparelho Digestivo